13 setembro 2016

Vídeo-Resenha: 1984 - George Orwell.

Oi, gente. Tudo bem?
Hoje eu trouxe para vocês uma resenha e um vídeo maravilhosos! Não, não estou me achando, risos, mas o livro que li é ótimo, um dos melhores da minha vida e, por isso, a resenha e o vídeo ficaram bons. Confiram!


1984, do George Orwell é um livro que eu queria ler há muito tempo! Porém, sempre acabava deixando para depois. Acredito que o li na hora certa. Estou no primeiro ano da faculdade de História e penso que isso facilitou a plena reflexão sobre o enredo de 1984. 

1984
Autor: George Orwell
Páginas: 416.
Editora: Cia das Letras. 

"1984" não é apenas mais um livro sobre política, mas uma metáfora do mundo que estamos inexoravelmente construindo. Invasão de privacidade, avanços tecnológicos que propiciam o controle total dos indivíduos, destruição ou manipulação da memória histórica dos povos e guerras para assegurar a paz já fazem parte da realidade. Se essa realidade caminhar para o cenário antevisto em 1984 , o indivíduo não terá qualquer defesa. Aí reside a importância de se ler Orwell, porque seus escritos são capazes de alertar as gerações presentes e futuras do perigo que correm e de mobilizá-las pela humanização do mundo.


Em 1984 ainda temos nosso mundo geográfico, mas o mundo político está completamente diferente. A Terra está dividida em três superestados: Eurásia, Lestásia e Oceênia. E é neste último que vive o protagonista chamado Winston Smith

Na Oceânia, há um governo totalitário onde existe apenas um partido político, que é quem decide tudo pelos habitantes. Nesse partido, há o núcleo, do qual fazem parte as pessoas consideradas mais importantes e essas tem mais poder no país, também há o partido externo, do qual fazem parte pessoas que trabalham para o partido, geralmente em um dos ministérios e, por último, existem os proletas, ou seja, o proletariado, que são os trabalhadores, que vivem em condições muito precárias. 

Existem quatro ministérios: "O Ministério da Verdade, responsável por notícias, entretenimento, educação e belas artes. O Ministério da Paz, responsável pela guerra. O Ministério do Amor, ao qual cabia manter a lei e a ordem. E o Ministério da Pujança, responsável pelas questões econômicas".Se vocês perceberam, essas denominações de Ministérios são bem irônicas, pois, de acordo com Winston (e percebemos ao longo do livro), o Ministério da Verdade é responsável pelas mentiras ao povo, o Ministério da Paz, é o que incita as guerras. o do Amor é o que dissemina o ódio e o Ministério da Pujança, que deveria distribuir a renda ao povo, deixa este cada vez mais miserável

O líder simbólico do partido é o Grande Irmão. Homem que não aparece em lugar nenhum que não sejam cartazes espalhados pela cidade ou em falas do partido para coagir a população. 

Não há leis escritas na Oceânia, porém praticamente nada é permitido aos seus habitantes. Há a teletela, um dispositivo que vigia os membros do Partido, seja do Núcleo ou do partido externo. Tudo o que eles fazem é registrado pela teletela e se fazem algo considerado errado, uma Patrulha Policial ou a Polícia das Ideias tem uma "conversa de pertinho" com a pessoa, se é que vocês me entendem. 

Falando em Polícia das ideias, é importante salientar que inclusive pensar era errado na Oceânia. Os habitantes tinham que acatar o que o partido dizia sem questionar, duvidar ou refletir sobre aquilo, caso contrário seriam punidos ou desapareceriam da face da Terra. E é isso que Winston faz. Ele pensa sobre tudo o que o Partido diz e sobre como as pessoas não reagem a isso. Ele não consegue acreditar que a lavagem cerebral medíocre do partido seja capaz de funcionar em tantas mentes. Winston descobre que pode existir um grupo chamado Confraria que é contra o partido, ao mesmo tempo em que conhece Julia, uma colega de trabalho. 


Vocês devem estar se perguntando porquê eu achei esta obra tão maravilhosa, mas acredito que vocês só descobrirão se lerem 1984 também. Mas, saibam de uma coisa: li o livro em um final de semana. Não consegui desgrudar dele e fiquei uma hora parada depois de terminar a leitura, refletindo sobre o que eu tinha lido. 

Algo que me chamou muita atenção, acho que principalmente por eu ser estudante de História, foi o trabalho que o Winston faz no Ministério da Verdade. Todos os dias ele falsifica notícias já publicadas, ou seja, faz uma alteração contínua do passado. A população nunca sabe o que é verdade e o que é mentira. Mas, o leitor percebe, que na verdade, a população nem se importa realmente com isso, pois estão preocupados demais em terem o que comer e beber. 

Por ser um clássico, imaginei que a leitura fosse pesada, que tivesse uma escrita rebuscada demais, mas pelo contrário, foi muito fácil ler 1984. Fácil e gostoso. Vocês não fazem ideia de quantas vezes, durante a leitura, eu pensava em como algumas coisas faziam sentido, em como dava para fazer referências com a nossa atualidade no Brasil e no mundo. 

Essa resenha já está grande demais e só por isso vou deixá-la por aqui, mas no vídeo tem algumas informações extras, então se vocês puderem assistir, melhor. 

Se eu recomendo esse livro? Claro que sim! É o livro que eu mais recomendo na vida! Leiam e me digam o que pensaram! 

Beijos <3 

Guerra é paz
Liberdade é escravidão
Ignorância é força


Viu algum erro nesse texto?
Envie um e-mail para bloglivrosecores@gmail.com
Nos acompanhe nas redes sociais:

8 comentários:

  1. Olá.
    Estou com problemas no PC e não pude assistir seu vídeo. Nas li a resenha e concordo com vc o livro é bárbaro, parece que foi escrito nos dias de hoje. Na verdade é um enredo atemporal.
    Amei o que li da resenha e eu também recomendo assim como a Revolução dos Bichos dele também.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Bom saber que a escrita não é toda rebuscada, porque sem dúvida isso assusta muitos leitores, e chega a deixar a leitura cansativa, dependendo do caso. Eu não li ainda, mas já li várias resenhas positivas com esta sua. Eu não gosto muito desta capa.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Olá, caramba, sempre que ouço falar nesse livro (e ele vem sendo bastante citado ultimamente) eu fico me perguntando porque ainda não o comprei, pois o autor criou uma história fantástica, crítica e atemporal que tem fascinado quem o lê. Sua resenha deixou isso bem claro pra mim. E agora, mais do que nunca, eu preciso ler esse livro. Ótima resenha. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oii, tudo bem?

    Adorei a sua resenha. Ouço falarem bastante sobre o livro, mas nunca o li. Esse enredo politico quebra comigo (sim, não curto muito). Mas quem sabe, né? Sair da zona de conforto pode ser bom

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Tenho muita vontade de ler esse livro, mas ainda não rolou. Tenho o livro há algum tempo na minha estante, espero poder lê-lo em breve. Se você leu um livro com mais de 400 páginas em um fim de semana, deve ser muito bom mesmo.

    Tatiana

    ResponderExcluir
  6. Olá, nunca tinha lido nenhuma resenha sobre esse livro, gostei bastante :)
    Ainda não li nada do autor, aqui em casa o único que tenho é 'Revolução dos bichos', mas também não li ainda.

    Super beijo

    ResponderExcluir
  7. Vou ser sincera com você. Se eu somente tivesse lido a sinopse do livro,não teria vontade de lê-lo.
    Mas lendo sua resenha bem empolgada com toda a história,não tem como não ter vontade de ler.
    Acho que essa hipocrisia toda que gira em torno da trama,dentro da política,realmente se parece com a situação que vivemos no Brasil.

    Ah, vi o vídeo e gostei! :)

    ResponderExcluir
  8. Olá!!
    Acho que não tem uma pessoa que não conheça esse livro, mas para te falar a verdade, tenho uma curiosidade sobre ele, mas nada na obra me chama a atenção, então eu não sei se o leria ou não.
    Sua resenha está incrível, parabéns

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir