17 setembro 2015

Resenha: O Bicho-da-Seda - Robert Galbraith.

   Título: O Bicho-da-seda
Autor (a): Robert Galbraith
Páginas: 464.
Editora: Rocco
Nota: 5/5

 O detetive Cormoran Strike retorna no novo mistério de Robert Galbraith, autor do best-seller internacional 'O Chamado do Cuco'. Quando o escritor Owen Quine desaparece, sua esposa vai a procura de Strike. De início, a Sra. Quine pensa que seu marido apenas se afastou por conta própria, por uns dias — como já tinha feito antes — e ela pede a Strike para que o encontre e o traga para casa. Mas conforme Strike investiga o caso, se torna claro que há mais no desaparecimento de Owen do que sua mulher pensa. O escritor havia terminado um manuscrito contendo descrições venenosas de quase todos que conhecia. Se o livro fosse publicado, poderia arruinar vidas: o que significa que existiam várias pessoas que poderiam querer silenciá-lo. Quando Quine é encontrado brutalmente assassinado em circunstâncias bizarras, a investigação se torna uma corrida contra o tempo para entender a motivação de um assassino impiedoso, um assassino como Strike nunca havia visto antes.


Olá, tudo bem, minha gente?

A resenha de hoje é sobre um gênero que eu particularmente adoro e não vivo sem, ROMANCE POLICIAL, é claro! E como falar em Romance  Policial e não falar de Robert Galbraith (ou para os mais chegados, nossa querida, J.K. Rowling).
Bom, O Bicho-da-Seda é o segundo livro nesse gênero da autora, e faz parte de uma série que narra as aventuras do detetive Cormoran Strike e sua assistente Robin pela movimentada, misteriosa e sedutora cidade de Londres. Londres, minha gente, Londres. Tipo assim, um ROMANCE POLICIAL de J.K. ROWLING que se passa em LONDRES, não tinha jeito desse livro ser mais sensacional!! (muitas exclamações).
Enfim, nesse livro, o Detetive Strike e sua assistente, Robin, já um pouco mais famosos por causa  do caso de O Chamado do Cuco (leia o primeiro livro, pelaaaaaaamor de Deus!!), começam a trabalhar em casos de "espionagens" para descobrir traições e coisas do gênero, só que - PRESTEM BEM ATENÇÃO - Strike não vai se contentar em ficar andando de um lado pro outro caçando maridos/esposas infiéis só pra ganhar um dinheiro a mais, porque Strike gosta de desvendar crimes, ele precisa sentir a emoção de descobrir a verdade onde ninguém mais a encontrou. E é a partir daí que ele se empenha em revelar todos os segredos do Bicho-da-seda.
A premissa do livro traz, assim, o caso do desaparecimento de um autor não-tão-conhecido-mas-que-se-acha-muito, que é levado até Strike por a mulher do tal autor desaparecido. Porém, quanto mais Strike se envolve nessa história, mais coisas estranhas começam a acontecer. Pois o tal autor não aparece, ao invés disso, surge um livro escrito por esse mesmo autor e no qual estão presentes todas as pistas para seu sumiço e um suposto assassinato.

O homem matava por oportunidade, por vantagem e em defesa própria, descobrindo em si a capacidade de verter sangue quando não parecia haver alternativa possível; mas também havia aqueles que refugavam na hora H, mesmo sob a pressão mais intensa, incapazes de forçar a vantagem, de aproveitar a oportunidade, de romper o tabu maior e definitivo.
 (...) Quem fez isso atingiu seu objetivo sem detecção, dispôs com sucesso das provas e parecia não demonstrar tormento ou culpa suficientes para alertar alguém. Tudo isso falava de uma personalidade perigosa, uma personalidade muito perigosa - se perturbada. Enquanto se acreditasse encoberto e insuspeito, não haveria perigo para ninguém perto dele. Mas se tocado novamente...tocado, talvez onde Owen Quine conseguiria tocar... Pág.: 286

Só que esse livro Bombyx Mori escrito por Quine, vulgo autor desaparecido, é muito grotesco, sombrio, esquisito e de uma perversidade sem tamanho. Todo esse livro gira em torno de metáforas sexuais, cenas de sexo muito peculiares são escritas por Quine, tendo em vista que esse autor projetava suas dúvidas e frustrações na sua "virilidade", como se pode ver nos outros livros do autor citados dentro de O Bicho-da-Seda. Através desses livros é que Strike e Robin começam a entender como tudo aconteceu de fato, e se utilizam de meios pouco convencionais para provar seus pontos. 

Não se pode tramar um homicídio como um romance. Sempre ficam pontas soltas na vida real. Pág.:385 

Confesso que até o final tive dúvidas sobre quem era o "cérebro" do crime, mas tudo se desenvolveu de uma forma que tudo ficou amarradinho no seu cantinho e fez sentido no final. Saiba que nesses livros de Romance Policial não dá pra contestar muito a história, porque são casos peculiares narrados romanticamente, que só fazem sentido no livro. Eu ainda questionei porque não me aguento, mas não vale a pena ficar pensando "Ah, mas se fosse de tal jeito ele teria feito mais rápido" "e tal pessoa tinha muito mais motivos" "e como ninguém percebeu isso?" "não entendi essa parte, pera, vou ler de novo...ainda não entendi". Gente, não dá, sério. Na minha opinião, quando você lê apenas partes do livro, ele perde todo o contexto que faz a investigação ser tão minuciosamente trabalhada. Me desculpem, quem não é assim, viu. Fique de boas.:)

Fora isso, o livro traz também fatos, sentimentos e pessoas do passado de Strike, nos mostrando o porquê de sua natureza tão dura, inquietante, sagaz e incorruptível. Nos mostra Strike como ele realmente é, seu dia-a-dia e sua maneira de raciocínio, o que facilita pra nós - leitores - a compreensão do crime em seus detalhes singulares.
Um quadro claro  do assassino surgia da massa de evidências desconexas, e a imagem era intensa e apavorante: um caso de obsessão, de fúria violenta, de uma mente calculista, talentosa, mas profundamente perturbada.Pág.: 413
Outra pessoa bastante importante nesse livro é Robin, que toma um lugar maior na história e no coração de Strike, porque ele passa a se abrir com ela, eles passam a fazer parte da vida um do outro. Além de que a perspicácia de Robin nos dá uma visão mais pura do fato sem todas aquelas tecnicidades.
Talvez ver coisas como corpos amarrados e estripados causasse alguma coisa na pessoa, mudasse o modo como se via o mundo. Pág. 291
Então, é isso, a história de um livro dentro de outro livro. Só digo uma coisa, os aficionados por esse gênero DEVEM LER ESTE LIVRO, porque eu acho que não tinha visto uma trama tão boa assim desde Agatha Christie DIVA SUPREMA.
No mais, não se deixem abater pelas citações, viu. Tem muita coisa que só lendo pra entender.

Beijinhos e até a próxima quinta,

Melissa.

2 comentários:

  1. Oi, Melissa!

    É sempre assim, a cada resenha eu fico com mais e mais vontade de ler essa série. Depois que li Morte Súbita, me apaixonei ainda mais pela escrita da autora e apesar de não gostar muito do gênero policial, acho que a série do Cuco talvez me desperte uma fagulha, quem sabe, né?!

    Adorei a maneira como você falou do livro.

    Beijão,

    Samantha Monteiro
    Word in My Bag

    ResponderExcluir
  2. Eu amo histórias de aventura, investigação e essa parece ser bem interessante. Parabéns pela resenha!
    Abraços

    ResponderExcluir