10 agosto 2015

Resenha: Beleza Perdida - Amy Harmon.

Título: Beleza Perdida. 
Título Original: Making faces. 
Autor: Amy Harmon.
Páginas: 336.
Editora: Verus.
Compre: Buscapé.
SKOOB

Ambrose Young é lindo, alto e musculoso, com cabelos que chegam aos ombros e olhos penetrantes. O tipo de beleza que poderia figurar na capa de um romance, e Fern Taylor saberia, pois devora esse tipo de livro desde os treze anos. Mas, por ele ser tão bonito, Fern nunca imaginou que poderia ter Ambrose... até tudo na vida dele mudar. Beleza perdida é a história de uma cidadezinha onde cinco jovens vão para a guerra e apenas um retorna. É uma história sobre perdas - perda coletiva, perda individual, perda da beleza, perda de vidas, perda de identidade, mas também ganhos incalculáveis. É um conto sobre o amor inabalável de uma garota por um guerreiro ferido. Este é um livro profundo e emocionante sobre a amizade que supera a tristeza, sobre o heroísmo que desafia as definições comuns, além de uma releitura moderna de A Bela e a Fera, que nos faz descobrir que há tanto beleza quanto ferocidade em todos nós.
Beleza Perdida, da autora Amy Harmon é um livro emocionante e com muita lição de moral a passar. Foi uma ótima leitura e eu vim falar um pouco mais sobre ele pra vocês. A verdade é que eu nem sei como escrever essa resenha, pois esse livro nos deixa sem palavras para descrevê-lo. 

Nosso casal de protagonistas é composto por Ambrose Young e Fern Taylor. Ele é atleta, lindo e popular. Ela  não é bonita, passa sempre despercebida e adora ler. Desde cedo, Fern é completamente apaixonada por Ambrose, mas ele não a enxerga. Fern vive pendurada no primo, Bailey, que tem uma doença que afeta seus ossos. Com o passar das páginas, vamos conhecendo os três mais a fundo e percebemos que eles tem muito mais por baixo da aparência.

Se chocolate amargo pudesse cantar, cantaria como Ambrose Young.

A história tem várias passagens de tempo, vemos tanto a Fern e o Bailey pequenos, depois adolescentes e finalmente com 21 anos, que é quando a maior parte da história se passa. A primeira parte da história nos conta sobre quando todos estavam no ensino médio e Ambrose era o mais popular da escola. Vemos Fern se passar por uma amiga e enviar cartas de amor a Ambrose, mas também vemos, tristemente, o ataque às torres gêmeas de 11 de setembro, que é quando começa a vontade de Ambrose de ir à guerra.

Depois, na segunda metade da obra, temos Ambrose de volta da guerra, com o rosto todo desfigurado. Ele foi o único que voltou vivo à cidade, já que seus amigos morreram no Iraque. Ambrose está traumatizado e se sentindo culpado, só sai de casa para trabalhar na padaria do pai. É aí que Fern o reencontra.

"Paulie estava cantando a música que tinha inventado sobre Oz: - O Iraque pode não ter munchkins, mas tem muita areia em grãos. Estou sem a minha namorada, mas pelo menos ainda tenho as mãos."

Gente, que livro! Estou suspirando até agora. Não, não porque ele seja um romance super fofo ou algo do tipo, mas porque ele é pura emoção. Todo mundo estava falando nesse livro, em como ele é bom. Mas, confesso que adorei a capa e ela foi o que mais me influenciou. Também achei que era um New Adult com bastante romance, mas me enganei. Esse livro não é um romance, ele tem muito mais drama do que qualquer coisa. Mas a autora soube escrevê-lo de forma majestosa e essa quantidade de drama não afeta a obra, mas traz mais encanto a ela. Fazia muito tempo que eu não chorava lendo um livro. 

Ambrose sabia como era ser saudável, ser perfeito, ser Hércules. Como era cruel cair subitamente de tal altura. A vida tinha dado outro rosto a Ambrose, e Fern se perguntava se ele seria capaz de aceitá-lo.

A autora tem uma sensibilidade enorme. O livro é repleto de alegria e tristeza, amor e amizade, perdas e ganhos (mais perdas que ganhos) e, principalmente, fé.  Super bem narrado em terceira pessoa, o livro nos mostra a realidade de nossos personagens e como eles lidam com isso. Todas as pessoas tem problemas, mas elas tem que saber lidar com eles. O livro nos traz muitas lições, nos mostra, de uma forma linda, que devemos olhar para uma pessoa mais de uma vez, não procurando apenas aquilo que ela tem por fora. Porque, depois de um tempo, isso não conta mais. O que vai contar é como a pessoa é por dentro, as atitudes dela, o que ela gosta de fazer e como ela te trata. 

Logo no início da leitura, eu confesso que fiquei um pouco entediada. Eu queria ir logo pra parte que o Ambrose voltava da guerra e se apaixonava pela Fern, mas a autora insistia em nos contar como havia sido o colegial, como eram os amigos do Ambrose e etc. Mas, depois entendi o motivo disso e gostei ainda mais da obra.

O Bailey merece um parágrafo só dele, por ser o personagem mais cativante que já conheci. Não, ele não é um fofo, mas ele age de forma incrível perante os problemas que ele tem e também é um grande amigo, um que todos nós gostaríamos de ter, também é muito engraçado.

Leiam, leiam e leiam. Sei que vocês vão tirar algo de bom dessa obra. E ela merece os leitores mais apaixonados do mundo. A autora tem mais livros publicados lá fora, espero que a editora traga todos pra nós! 

2 comentários:

  1. Desde que vi a capa desse livro, ele me chamou a atenção...confesso que também me levei só pela capa no começo mas depois de tantas resenhas lidas eu estou ansiosa para ler essa história... :-*

    ResponderExcluir
  2. Oii Ro, tudo bem??? quanto tempo :)
    Já tinha ouvido falar do livro, mas confesso que não tinha ficado muito interessada, pois não curto muito NA. mas depois da sua resenha, fiquei bem curiosa. Eu AMOOO dramas :)
    Um beijão
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir