16 agosto 2014

Resenha: Sociedade dos Meninos Gênios - Lev Ac Rosen.


Livro: Sociedade dos Meninos Gênios
Autor: Lev AC Rosen
Editora: Novo Conceito
Lançamento: janeiro/2014
Nota: 4,5/5.

Chantagem, mistério, confusões de gênero, coelhos falantes e um assassino autômato: mergulhe na trajetória de Violet Adams, que assume a identidade de seu irmão gêmeo para conseguir uma vaga na mais prestigiada universidade de Londres, que é exclusiva para meninos. Inspirado em clássicos como Noite de reis, de Shakespeare, e A importância de ser honesto, de Oscar Wilde, “Sociedade dos Meninos Gênios“ traça um retrato pitoresco e provocativo da aristocracia vitoriana, oferecendo diversão, aventura e uma reflexão bem-humorada sobre a questão do gênero.

Olá pessoas!

Meu nome é Izandra e, como a nossa querida Roberta já os avisou, estarei colaborando com resenhas para o blog Livros e Cores :)

Para a minha estreia, escolhi a obra “Sociedade dos Meninos Gênios”, do Lev AC Rosen, lançado pela editora Novo Conceito. Pra quem nunca ouviu falar, ele faz parte do gênero steampunk que, de acordo com a Wikipedia: “Steampunk é um subgênero da ficção científica, ou ficção especulativa, que ganhou fama no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Trata-se de obras ambientadas no passado, no qual os paradigmas tecnológicos modernos ocorreram mais cedo do que na História real (ou em um universo com características similares), mas foram obtidos por meio da ciência já disponível naquela época – como, por exemplo, computadores de madeira e aviões movidos a vapor. É um estilo normalmente associado ao futurista cyberpunk e, assim como este, tem uma base de fãs semelhante, mas distinta.

Este foi o primeiro steampunk que li e, confesso, adorei! O autor soube trabalhar muito bem com a sociedade inglesa vitoriana, e fez descrições maravilhosas de como a tecnologia funcionava.

Mas vamos à resenha em si. Primeiro de tudo: a sinopse oficial (logo acima) não chega nem aos pés de uma descrição decente do livro. Se não fosse pela informação de que uma garota resolve se vestir como seu irmão, eu sequer teria lido. Adoro esse tipo de história, e não é à toa que um dos meus filmes favoritos é “Ela é o Cara”, com a Amanda Bynes xD

Violet Adams, nossa personagem principal, é uma dama inglesa bem nascida, filha de um renomado cientista. Ela e seu irmão gêmeo Ashton foram bem criados e educados para assumirem seus papéis na sociedade vitoriana como se espera de toda boa família inglesa. Mas eles se adequam a esses papéis? Claro que não!

Violet é um gênio. Desde criança teve contato com a ciência através de seu pai, um renomado astrônomo, e se dedicou a aprender tudo que podia, especialmente de mecânica. Seu maior sonho é entrar na faculdade de Illyria, a melhor de todas se você quer ser reconhecido na comunidade científica. Mas há um pequeno problema: a faculdade só aceita alunos homens. O que uma garota gênio poderia fazer para reverter essa situação e provar que seu cérebro era tão bom – se não melhor – do que dos homens?

“Pouca coisa a satisfazia mais do que a sensação de metal na mão. Gostava de conceber novas invenções, sim, mas o que mais lhe dava prazer realmente era montá-las e sentir cada engrenagem e mola encaixar-se no lugar, sentir seus projetos ganharem vida e funcionar nas suas mãos. Tinha uma daquelas mentes raras que eram capazes de diferenciar, entre uma dúzia de molas aparentemente idênticas, a que era mais forte, a que tinha a maior flexibilidade, da que poderia de quebrar.”

A resposta veio pelo seu irmão gêmeo, Ashton. Ao contrário da irmã, ele não  gosta da ciência, mas sim do lado romântico da vida: poesias, músicas e muita diversão. Ele, na definição usada pelo autor, é um invertido: ou seja, ele é gay. Como a moralidade ainda é o ponto alto da sociedade britânica, Ashton mantém sua “condição” escondida da maioria, embora sua irmã e seu melhor amigo, Jack, saibam. E, justamente por entender como é ruim não poder mostrar ao mundo uma parte de si, ele resolve ajudar sua irmã. O plano foi inteiro dele: Violet se vestiria como homem e assumiria sua identidade para se candidatar à uma vaga na faculdade de Illyria.

Jack, amigo de infância tanto dele como de Violet, também é um cientista, embora sua área de estudo seja a biologia, e não a mecânica. Ele é de uma ajuda primordial em toda a história: se torna o companheiro de quarto de Violet em sua estada na faculdade, o que facilita a manutenção deste segredo.

Há muitas coisas que me surpreenderam nesse livro, e não é à toa que o escolhi para essa resenha, adorando relê-lo para isso. Começamos por Violet; ao contrário de muitas protagonistas por aí, que ou assumem um papel masculino, ou atuam em funções do gênero,  ela não é, em nenhum ponto, masculinizada. Sim, sua personalidade é um tanto excêntrica para uma dama, mas o autor deixa claro que ela tem uma aparência bem feminina logo no início do livro.

“Violet era uma adorável espécime do belo sexo, de cabelo castanho-escuro, que sempre parecia exibir uma aparência de quem acabara de ser soprada pela brisa. Era formosa, com as bochechas rosadas e, embora fosse um pouco alta, tinha uma compleição femininamente elegante. Seu rosto ovalado e o queixo altivo insinuavam uma grande inteligência, evidente também no brilho dos olhos cinza-claros e na curva energética dos lábios bem arqueados. Ela raramente se preocupava demais com a aparência e, assim, tinha uma espécie de beleza descuidada que não ficaria deslocada em um romance gótico do tipo que abominava.”

E ela realmente ama a mecânica. Em vários momentos dos livros nos apaixonamos por suas invenções tanto como ela é apaixonada. Mas ela sabe dos riscos que sua aventura pode causar: ela poderia não só ser presa, como até mesmo sentenciada à morte. Sua família seria humilhada e perderia todo o prestígio, isso se nada pior acontecesse com ela caso fosse descoberta por um único aluno com más intenções.

E nem isso a impede de tentar. Ela quer provar ao mundo que não só ela, Violet Adams, é inteligente o bastante para estar entre os melhores cientistas, sendo uma mulher, como deseja que todas as mulheres tenham a oportunidade de, no futuro, terem suas genialidades reconhecidas. Ela luta por uma causa, e está disposta a correr os riscos por ela. Eu, como leitora, me identifiquei demais com Violet e toda a coragem que ela demonstra em suas ações.

Mas o livro, apesar de girar em torno da história de Violet, não se concentra apenas nela. Por ser escrito em terceira pessoa, muitas vezes nos deparamos com um capítulo centrado em outro personagem, que mal teve o nome citado anteriormente. Esse tipo de técnica enriquece a história, pois faz um leitor se aprofundar mais na sociedade criada pelo autor e viver verdadeiramente o livro.

Não quero citar spoilers, pois isso estragaria a graça da leitura. Entretanto, quero ressaltar que o livro é muito mais do que Violet; a própria faculdade de Illyria tem diversos segredos, e com o extenso núcleo de personagens secundários – que ganham espaço com capítulos próprios – temos acesso a muitos deles. Fora o romance; não só nossa querida Violet se apaixona (em um momento inoportuno, diga-se de passagem), como temos diversos outros casais sendo formados ao longo da leitura, alguns bem divertidos.

Entre os dias letivos da faculdade de Illyria e as confusões em que os personagens se metem, a leitura é extremamente prazerosa. Mas porque eu não dei 5 estrelas completas? Por um motivo simples: não terá continuação. Logo que terminei a leitura, fui procurar informações do autor, curiosa se já havia um segundo livro escrito, ou previsão para o mesmo, e descobri que o sr. Lev Ac Rosen nem estava cogitando a hipótese.

Entendam: o motivo não é a falta de uma continuação em si; se tem uma coisa que detesto nos livros hoje em dia é a mania de só pensar no ganho de venda com eles. Autores criam continuações à torto e à direito, embromando a história para que ela renda mais. Não é o caso deste livro; o que eu senti nele foi que, apesar de ter sido dado um final satisfatório, havia muitos detalhes que não foram explorados por completo e que, em uma continuação, poderiam ser aprofundados. Como eu disse, Illyria tem muitos segredos, e parece que vi apenas um vislumbre deles na leitura. Apenas por esse motivo não dei nota máxima para esse livro, pois por todo o resto, ele merece :)

Vou ficando por aqui. Espero ter convencido aqueles que não conheciam a obra a se darem o prazer dessa leitura, pois valerá muito à pena!

Até a próxima! o/

Izandra.

9 comentários:

  1. Primeiramente, seja bem vinda. Se todos os posts forem como esses, irei adorar lê-los.

    Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas adorei ele por causa da resenha. Gosto desse estilo de narração que eu conheci por causa do George R. R. Martin. Concordo que enriqueci a leitura, fica mais fácil de compreender a história. Colocarei ele na minha lista de leitura :)

    The Lord of Thrones

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro a capa é bem feinha mas a história parece ser boa
    Um beijo, te espero no blog
    Blog livros com café

    ResponderExcluir
  3. Oi...

    Esse livro não me encheu os olhos, principalmente quando vi o tamanho dele e que teria uma continuação. Não sei que problema é esse que um único livro não é o bastante. Na sua resenha você também mencionou que ficaram algumas pontas soltas... Mais um motivo para eu evitar a leitura e pegar um livro que eu realmente tenha muito interesse.

    Beijos

    Cintia
    http://www.theniceage.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olááá!
    não conhecia o livro!
    ADORO O GENERO. não conhecia pelo nome, mas a um tempo atras vi no blog canastra literária, a definição e me encantei. principalmente porque o genere está atrelado a todo um contexto...
    poxa uma pena o livro deixar pontas soltas... SEM continuar! deve ser um pouquinho frustrante!
    gostei da idéia dos gemeos que se complementam, não vou dizer que é uma ideia inovadora, mas parece ser muito bacana! :)
    e beeeeeeeeem vinda a blogosfera!

    Um beeijo Lara.
    Blog Meus Mundos no Mundo | | Página Coração Furta-Cor

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca li um livro steampunk, quando vi na livraria assustei com o tamanho dele.
    Adorei a resenha

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Acho esse título o máximo e ele acaba sempre me lembrando "Sociedade dos Poetas Mortos"...rs.
    A capa e o título me encantam absurdamente. :)

    Beijos,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
  7. eu também nunca li um steampunk, a capa é bem bonita, não é muito meu gênero de livro favorito mais, quem sabe ... :D

    byanak.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oiee

    Não conhecia o livro e adorei sua resenha, fiquei me perguntando como assim ainda não li esse livro ? Vou procurar saber mais com certeza e quem sabe não compre na bienal do livro!

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  9. Li esse livro há algum tempo e também gostei bastante *---* Sério que não vai ter continuação? oO Nossa, eu jurava que ia ter, porque, como você citou, alguns pontos mereciam um aprofundamento melhor - que ocorreria, no caso, eu uma continuação. Bom, já que não tem, o jeito é se contentar só com esse volume mesmo, que é MUITO bom <3

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir