25 agosto 2014

Resenha: O Teorema Katherine - John Green



Livro: O Teorema Katherine
Autor (a): John Green
Editora: Intrínseca
N° de Páginas: 304
Classificação: 3/5

O Teorema Katherine é um livro narrado em 3°pessoa. 
Collin Singleton é o protagonista. Ele ama anagramas, e se considera uma ex-criança prodígio. E como a maioria dos "nerd's" (de livros, filmes), tem certa dificuldade de se socializar. E não ocorre diferente com Collin. Na escola, ele só tem apenas um amigo, Hassan.


"Prodígios conseguem aprender rapidamente o que outras pessoas inventaram; gênios descobrem o que ninguém descobriu. Prodígios aprendem; gênios realizam. A maioria das crianças prodígio não se torna um gênio na idade adulta. Colin tinha quase certeza de que fazia parte dessa maioria desafortunada."


Outro fato, muito importantíssimo na vida de Collin, é que ele tem uma obsessão muito grande, por garotas chamadas Katherine, exatamente assim, com todas as letras. Tanto é, que todas as suas namoradas (19, por sinal) se chamava Katherine. Coincidência!?
Porém, como nada é perfeito, muito menos a vida de um prodígio chamado Collin, em um certo dia ele leva um fora de sua décima nova namorada (Katherine 19). 
Foi o relacionamento em que ele mais se abalou, então ele e Hassan pegaram o carro e seguiram sem nenhum sentido, como se fosse uma road-trip.



"Quero chorar, então devo estar chorando, mas é impossível dizer ao certo dentro d’água. E não estava. Estranhamente, estava deprimido demais para derramar lágrimas. Magoado demais. A sensação era de que Katherine havia roubado dele a parte que chorava."

Mas o livro basicamente se passa quase todo em Gutshot, a primeira parada deles, no qual decidem descer e ir ver o túmulo do Arquiduque Francisco Ferdinando. 
Até então, era pra ser uma breve visita, só que acontece várias coisas, uma delas é que eles conhecem uma garota chamada Lindsey, e recebem uma proposta de emprego, e decidem ficar por mais tempo.

Ainda lá em Gutshot, Collin tem uns momentos em que sua imaginação fluem automaticamente, no qual ele chama isso de "Eureka". 
Em uns desses seus momentos "Eureka", ele decide fazer um teorema, no qual determinará o tempo de um relacionamento, quem será o Terminante (quem termina o relacionamento) e o Terminado (quem recebe o pé na bunda)...

Considero isso meu improvável de acontecer, pois não sabemos nem como vai ser o dia de amanhã, e muito menos o que irá acontecer nos finais dos relacionamentos.
Mas como Collin é muito mais que um sábio, e pelo jeito a palavra "impossível" não existe no seu dicionário, será que ele conseguirá achar uma solução para esse problema?


"Havia espaço suficiente para ser qualquer pessoa – qualquer uma, exceto a que ele já fora, porque se tinha uma coisa que Colin tinha aprendido, era que não se pode impedir o futuro de acontecer. E pela primeira vez na vida, Colin sorriu pensando no futuro infinito que se descortinava à sua frente."


Esse livro não é nem um pouco parecido com Acéde, ele não causa nenhuma emoção. Só de vez em quando, bate vontade de dar risada, mas não muito.
Talvez se OTK, fosse narrado em primeira pessoa, a leitura fluísse mais naturalmente, e não fosse tão maçante. 
As resoluções matemáticas, presentes no livro, fez com que ele ficasse um pouco sacal (talvez, porque eu não goste de matemática rsrs).
Porém a história em si, é bem legal e diferente. Vale a pena a leitura, para quem está disposto e com paciência.


"Era algo que ele pensava que os escritores sempre faziam: escrever as coisas de um jeito diferente do que são na verdade."


Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam. Uma descoberta que vai entrar para a história vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

Espero que usufruem dessa leitura.
Até mais.
Beijos

Bárbara - Myself here

19 comentários:

  1. Me falaram que era bastante chato, por isso acabei não lendo ainda. Mas não podemos julgar o livro pela capa, né?
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu já não curto muito John Green, me recusei a ler a culpa nas estrelas
    Ai você diz que o OTK é massante e contem resoluções matemáticas
    levo isso como um sinal para nunca ler os livros desse cara hsuashuash

    http://allstaresaltoalto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um livro do John que vale a pena leitura, é Cidades de Papel, eu gostei bastante, e não tem nenhum clichêzinho. Uma história bem diferente.

      Bjs

      Excluir
  3. Concordo sobre a leitura ser maçante. Infelizmente precisei arrastar a leitura do livro, e o terminei com grande dificuldade e alívio. Eu o li logo depois de ler ACEDE, então meio que esperava algo a altura. Sem dúvidas, esse não está entre os meus livros favoritos.
    E eu também odeio matemática ZZZzzZZZzz RS!
    Beijo grande.

    Thati;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cidades de Papel é um livro que quase chegou a altura de Acéde na minha opinião. Mas Acéde continua sendo o preferido rsrs.
      Bjs

      Excluir
  4. Muitas pessoas falam muito mal desse livro, e todas as pessoas que eu conheci e que leram esse e mais outros livros do John falam que esse é o pior livro dele. Mas ele parece até legal, não sei. Espero que não seja tão chato assim.

    The Lord of Thrones

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende de cada pessoa também né Karla, tem umas que se identificam, e outras não. Só lendo mesmo pra saber rsrs.
      Bjs

      Excluir
  5. Estou lendo esse livro! Não estou achando lá essas coisas, mas vou até o fim... UHUHSUHAS o mais engraçado é que não pode nem ser Catherine, tem que ser K-A-T-H-E-R-I-N-E, com todas as letras certinho... Adorei a resenha, e sobre o desafio Questões de Platão à Sofia não seria necessariamente nos comentários do meu blog que você deixaria as respostas, seria no seu blog e vc postaria o link aqui nos comentários SUHASUHASUH, mas sem problemas, vou deixar meu e-mail com você!
    > saramunizz@gmail.com

    Beijocas da Saroca! :3

    ResponderExcluir
  6. Oiee

    Não sei porque mas tenho a sensação de que se eu ler outros livros do John Green não irei gostar tanto como gostei de "A Culpa é das Estrelas" então nem me arrisco por enquanto a ler outro livro do autor.

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ainda não tinha ouvido falar desse livro mas adorei a resenha *o*, espero ler algum dia!

    Abraços, Crazy Things

    ResponderExcluir
  8. É acho que sou exceção. Exceto Will e Will comprei todos os livros de John Green mesmo antes de ler, foram saindo fui comprando, achando que ia gostar e tal, porém não consegui acabar.
    Agora estou tentando Quem é Você Alasca? Ainda espero que meu conceito mude.
    Mas achei a resenha muito bem escrita.
    Beijos
    www.bookspelagi.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Gi, tem uns que não dá nem empurrando né rsrs.
      Obrigada
      Bjs

      Excluir
  9. Esse é meu livro preferido do John Green, mas muitas pessoas não conseguem terminar de ler :/
    Beijos
    http://www.gemeasescritoras.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O bom é que você tem outra visão sobre ele rsrs.
      Obrigada
      Bjs

      Excluir
  10. Eu também não gosto muito de matemática não, e na parte daqueles gráficos e tal, eu até começava a tentar entender, mas aí percebia que não conseguiria nunca e pulava aquilo totalmente :P HAHA
    Eu até que gostei desse livro, dei umas risadinhas e tal, mas ele realmente não é lá essas coisas, não é parecido com ACEDE (que eu tanto amei <3).

    Brunna Carolinne - My Favorite Book - @MFBook
    myfavoritebook-mfb.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Bárbara, como vai?
    Já li quase todos os livros do John Green, menos Will & Will. Até então, OTK é o meu preferido. Senti muitas coisas lendo esse livro, e sim, senti emoção. Além de dar muitas risadas, porque convenhamos, o Hassan é hilário! E Lindsey Lee Wells é a minha personagem favorita. Gosto tanto desse livro que já o li duas vezes e pretendo ler novamente.
    Beijos! - Tão doce e tão amarga.


    ResponderExcluir