Resenha: Traços - Eduardo Cilto.

16 setembro 2017

Traços
Autor: Eduardo Cilto. 
Páginas: 272.
Editora: Outro Planeta.  
Nota: 2/5
Quando Matheus aceitou acompanhar Beatriz na festa do colégio, jamais imaginou que terminaria a noite participando de um ritual místico (de veracidade duvidosa) para saber o que o futuro reservava para ele e a amiga. Assim que as velas que os cercavam se apagam e uma resposta esquisita encerra a cerimônia, Beatriz leva o resultado a sério e entende que deve fugir da cidade pequena para se encontrar com seu destino nas ruas da capital de São Paulo. Perdido no meio de tudo, Matheus é obrigado a repensar o que considera certo ou errado quando é convidado para participar do plano maluco de fuga e decide que precisa passar por cima dos limites impostos pelos pais para finalmente ser capaz de entender quem realmente é. Os dois amigos partem sozinhos para São Paulo e carregam consigo não somente as malas nas costas, mas também o peso de todos os problemas que achavam que estavam deixando para trás. Sem ter ideia do que estão enfrentando, Matheus e Beatriz descobrem mais sobre si mesmos, criam, quebram laços e encaram desafios que jamais pensaram que confrontariam enquanto contavam as moedas para realizar esse grande plano que iria mudar suas vidas para sempre.

 Olá, gente!


A resenha de hoje é de um livro nacional de booktuber, que foi uma grande surpresa pra mim.



Bom, vamos começar pelas coisas boas. O livro é um nacional, e só por isso vale a pena ser lido, pois devemos dar uma chance aos livros de autores brasileiros, que muitas vezes passam despercebidos nas prateleiras em meio aos lançamentos estrangeiros de capas maravilhosas e recomendações de autores aclamados. 

É um livro escrito por um booktuber, assim já imaginamos que o livro deve ser uma maravilha, porque uma pessoa que leu muito e teve muitas experiências literárias, provavelmente é um ótimo escritor e merece ser lido. Além de que, ver seu trabalho reconhecido e publicado por uma grande editora é muito gratificante para todos nós que falamos sobre livros na internet.

A ilustração da capa é muito bonita e bem-feita, um tanto enigmática e você se pega pensando nos segredos escondidos entre as páginas desse livro. Páginas estas que são amareladas e grossas, o que facilita muito a leitura. Também possui letras de um tamanho razoável e espaçamento adequado. É um livro dividido em poucos capítulos e narrado em primeira pessoa. 

Creio que é um livro infanto-juvenil, porque eu não sei, realmente, em que outra categoria devo encaixá-lo. E o indico  para aqueles que estão abrindo os olhos para o mundo da leitura agora, aqueles que ainda não tiveram muitos contatos com narrativas complexas e personagens profundos.



Pronto, encerraram-se, definitivamente, as coisas boas.

Agora, sentem-se, que eu vou destrinchar aqui tudo aquilo que não gostei. Porque esse livro me surpreendeu, sim e muito, mas de uma maneira muito negativa.

Primeiramente, não há linearidade nem coesão na narrativa. Eu terminei o livro sem saber o que autor quis dizer com ele. Para mim, parece que o autor, como uma pessoa que leu muito na vida, se "apropriou" de alguns maneirismos literários e simplesmente "jogou" na história, sem saber se aquilo funcionária ou não (NÃO FUNCIONOU). Colocou diversos assuntos considerados tabus que não contribuíram em absolutamente NADA para o desenvolvimento da narrativa ou construção de personagens. A história que se chama Traços mais parece uma colcha de retalhos muito mal costurada (um serviço muito "labrojeiro", como a gente fala aqui na minha terra).

Eu ia falar da história, mas o livro não tem história. O autor quis tanto impactar, emocionar, que acabou colocando algumas coisas demais e outras de menos. Colocou fatos e pontos demais que ele não conseguiu desenvolver, então as coisas só ficaram ali "pairando" sem serem explicadas de verdade. Enquanto outras coisas que mereciam ser explicadas, isso é uma questão de atenção para com o leitor e carinho para com a obra, não foram de jeito nenhum! Assim, aquelas coisas que mereciam explicação foram soterradas por assuntos "chocantes" que o autor quis colocar ali para ver se dava aquele famoso "tchan" e não deu.



Infelizmente.

Vou exemplificar: na capa podemos ver uma menina e um menino na sacada de um prédio. Ok. A sinopse nos leva a entender que se trata da história de Beatriz e Matheus. Não é. Não é a história de Beatriz, nem da menina da capa, e até agora estou pensando se é a história de Matheus, porque o livro é uma sucessão de aleatoriedades sem nexo e que não estão ligadas de forma alguma.

Aí você me diz "É uma questão de sentir". Sentir o que? Raiva? Frustração? Pena? Tristeza? Só se for isso, desafio uma pessoa que já tenha lido um bocado de coisa a ler esta belíssima obra da literatura nacional e não ter uma síncope na décima página.

Mas tudo bem. Esse pode ser um problema meu, e entendo, caro leitor, se você amar o livro. Pois como seres humanos que somos, temos diferentes experiências de leitura e podemos enxergar as coisas cada um a seu modo. No entanto, existem padrões básicos na estrutura de um livro a serem seguidos. Requisitos mínimos. E esse livro peca muito nesses aspectos.

Além de que, a revisão desse livro deixou muito a desejar. Muitas frases não terminadas. Letras faltando. Parágrafos vagos. Palavras sobrando. Contexto inexistente. Plano de fundo insosso. Personagens mal construídos. E um monte de outras coisas que me dão vontade de chorar de dor.



E ainda sobre os personagens? Ruins. Bem ruinzinhos mesmo. Já li livros infantis sem diálogos com personagens mais discerníveis e atuantes do que os que eu li nas quase trezentas páginas desse livro. 

Primeiro existe Matheus, talvez a única constante enquanto presença nessa história. Matheus não tem personalidade, é ingênuo, chato, forçado, falso nerd, inseguro, enfadonho, mimizento. Matheus, que em alguns momentos é destemido e em outros é um zé ninguém babacão. Você nunca sabe como ele é de verdade. E dá vontade de saber? Não. Matheus é chato demais e desinteressante. Os problemas dele não me dizem respeito, as dúvidas dele me fazem revirar os olhos e as palavras me fazem tapar os ouvidos. Matheus que acredita em "friendzone", que deixou tudo que acreditava por espontânea vontade porque pensava que Beatriz poderia lhe amar, mas ela não o fez e ele ficou com muita raiva. Matheus que fala "mas nem todos os homens" e se acha no direito de dissertar com propriedade sobre assuntos que ele não conhece, e diz para as meninas "você é diferente das outras, porque você gosta de XXX". Matheus que me fez questionar minha esperança em um mundo melhor.

Beatriz, azeda, muito forçada, mimada, pedante, egoísta, mesquinha e tão bobalhona que... SOCORRO!! Beatriz que sonha em sair da cidadezinha em que mora e "arrasta" Matheus junto, mas nunca está satisfeita com nada. Beatriz que é vazia e não tem qualidades, como qualquer outro ser humano teria. Beatriz que só pensa em si, mas da qual nunca sabemos os pensamentos.

Samantha, que é a ideologia de "mulher perfeita" que aparece somente para salvar o nosso herói das garras da maldosa Beatriz. Samantha que surge do nada, que foi esquecida e somente lembrada para fazer "crescer" o personagem principal e depois é colocada no cantinho escondido da sala. Samantha, que é o estereótipo dos estereótipos, menina bacana que estuda, trabalha, cuida do pai doente, lê livros, quadrinhos, é dona de casa, magra, branca, loira, olhos verdes, camisa com "Bazinga!" escrito. Samantha, que dá a vida pelos outros e simplesmente desaparece. Samantha que é a pessoa junto a Matheus na capa do livro, mas que em nenhum momento é citada na sinopse. 


*Perdoem a sombra na foto, ainda estou aprendendo*

Resumindo, esse livro tem: sonhos loucos com igrejas pegando fogo, fuga de casa, violência e abuso sexual, drag queens, hotéis, sapos coaxando de maneira estranha, velhos loucos, pais relapsos, crianças com ursos em corredores escuros, cachorros babões, lagos, amigos bruxos, festas juninas, ataques nervosos, patricinhas fofoqueiras, youtubers, sequestro, ratos, boates, road trip, bruxas, fogueiras, rebelde, marvel, Crime e Castigo, furtos, falsidade ideológica, polícia, floresta, jogos mortais, trilha, estrelas, frases de efeito, filosofias, coincidências surreais. E, depois de tudo isso, o livro não tem final. Isso mesmo: não faz sentido e não tem final. Nada, necessariamente nessa ordem.

Assim, essa foi a resenha. Não gostei do livro. Da história ou dos personagens. Talvez eu seja muito "cri-cri", mas foi o que eu achei, e pelo que eu vi por aí, muitas pessoas também. 
Fiquei muito feliz de um booktuber ser publicado, mas esperava muito mais do livro do que uma narrativa sem coerência, mal escrita e forçada, com personagens sem graça e sem sentido, uma história sem apelo. 

Pedindo aos céus para o livro melhorar...Não teve jeito!

Por fim, creio que é ótimo que as editoras estejam procurando autores nacionais entre aqueles que "supostamente" mais entendem de livros. Sei que esse mercado está abrindo as portas agora e que toda chance é bem-vinda. Porém, como leitores, merecemos mais respeito, mais verdade, mais cuidado com o que se publica e como se publica. Esse é mais um exemplo de que nem todo mundo nasce com talento para a escrita, às vezes é preciso escrever muitas coisas até que uma história seja contundente. 

Esse foi o meu desabafo, como disse, indico somente para aqueles com 0 contato com a literatura ou aqueles que leram pouquíssimas coisas, pois não vão ter com o que comparar, e não vão ficar reparando nos defeitos da história. Ou se você quiser ler, ótimo! Mas leia por sua conta em risco.


(talvez eu tire umas fotos bonitas do livro pra balancear essa resenha)


Até mais,

Melissa.



Viu algum erro nesse texto?
Envie um e-mail para bloglivrosecores@gmail.com
Nos acompanhe nas redes sociais

Resenha: Orgulho e Preconceito - Jane Austen.

13 setembro 2017

Orgulho e Preconceito

Autora: Jane Austen 
Páginas: 399. 
Editora: Giz Editorial
Livro cedido pela editora para resenha. 

Segunda obra publicada de Jane Austen, Orgulho e Preconceito foi terminado em 1797, quando a escritora ainda não tinha completado 21 anos. Foi lançado em 1813, e seguiu o sucesso de seu primeiro livro, Razão e Sensibilidade.
Em Orgulho e Preconceito, Elizabeth Bennet, segunda de 5 filhas de um proprietário rural na cidade fictícia de Meryton, lida com os problemas relacionados à educação, cultura, moral e casamento na sociedade aristocrática do início do século XIX, na Inglaterra. Como em toda a obra de Austen, o texto utiliza de uma fina ironia para retratar e criticar a hipocrisia moral da virada dos séculos XVIII e XIX.

Oi, gente. Tudo bem?
Orgulho e Preconceito é um clássico lindo de mais! Sabe aquele livro que te traz emoções fortes e aquece seu coração? Orgulho e Preconceito!

Nossa protagonista é Elizabeth Bennet, ou Lizzy, ou ainda Eliza, que vive no interior da Inglaterra com seus pais e quatro irmãs, Jane, mais velha, Mary, Catherine (Kitty) e Lydia, mais novas. A história é ambientada no século XIX em uma propriedade rural que traz algum dinheiro à família, mas que não poderá ser herdada por nenhuma das filhas por elas serem mulheres. Daí vem uma grande preocupação da mãe delas em ver suas filhas casadas.

A cidade pequena - e fictícia - Meryton fica agitada com a chegada do Sr. Bingley, um solteiro que muitas mães querem como genro por ele tem uma boa condição econômica. O Sr. Bingley fica muito interessado em Jane e vice-versa. Junto com ele vem suas duas irmãs, seu cunhado e um amigo, o Sr. Darcy.

- Acredito que haja em toda personalidade uma tendência a algum mal em particular, um defeito natural, que nem mesmo a melhor educação pode superar.
- E o seu defeito é uma propensão a odiar todo mundo.
- E o seu é deliberadamente compreender mal as pessoas - ele replicou com um sorriso. 

O Sr. Darcy não é tão bonito quanto o Sr. Bingley, mas muito mais rico. Ele parece ser extremamente orgulhoso e arrogante, além de tratar as pessoas de forma hostil, como se elas fossem inferiores. Depois de perceber isso e de ouvir o Sr. Darcy falando dela, Elizabeth acaba não gostando dele - assim como a cidade inteira. Todas as vezes nas quais eles se encontram, ela faz comentários sarcásticos e irônicos.

Para o Sr. Darcy, a informação foi bem-vinda - Elizabeth ficara em Netherfield tempo o bastante. A moça o atraía mais do que ele gostaria. [...] Sabiamente, resolveu tomar muito cuidado para nenhum sinal de admiração lhe escapar. 

As coisas começam a ir mal quando, apesar de parecer que o Sr. Bingley pediria a mão de Jane em casamento, ele vai embora da cidade. Entre viagens de Jane e Elizabeth, as irmãs mais novas Kitty e Lydia, apoiadas pela mãe, procuram maridos desesperadamente entre os oficiais acampados em Meryton. Ao mesmo tempo em que Elizabeth acaba encontrando Sr. Darcy na casa de amigos e percebe que ele tem mudado as próprias atitudes. 


A narrativa é feita em terceira pessoa e, geralmente, acompanha Elizabeth, mas também mostra outros personagens. Os capítulos são curtos, mas a estrutura da obra é diferente, feito por mais diálogos do que narrativa em si e sem passagens grandes de tempo. A escrita é mais rebuscada dos livros que estou acostumada a ler, mas isso traz uma sensação totalmente nova e nos insere no ambiente no qual a história é contada. Na verdade, é maravilhoso poder ver um romance ambientado no início do século XIX por uma pessoa que realmente viveu nessa época e que tinha uma visão crítica - e irônica - sobre ela.

Temos uma grande quantidade de personagens na obra, todos bem construídos. Os personagens que mais me chamaram atenção - de forma positiva ou negativa - foram: o Sr. Collins, que é o homem mais puxa-saco que já vi na vida; Lydia, que eu quis estrangular do início ao fim do livro e os dois homens que parecem ser algo, mas na verdade não são: Wickham e Mr. Darcy. Este último, cresceu muito durante a narrativa e roubou meu coração . Também devo falar sobre o Sr. Bennet, pai de Elizabeth, que assim como Jane, era o porto seguro de Lizzie e, apesar de um tanto ausente na criação das filhas, é um dos personagens que não segue as hipocrisias e a falsa moral da época, como, por exemplo, quando apoia uma de suas filhas a não se casar.




Antes de ler a obra, eu sempre me perguntava como um romance poderia ter o título "Orgulho e Preconceito", mas confesso que combina muito com a obra! O Sr. Darcy é extremamente orgulhoso e desdenha daqueles que pensa terem um menor intelecto, já Elizabeth, como o próprio Darcy diz, compreende mal as pessoas.

Dá pra entender o fascínio geral que essa Orgulho e Preconceito traz há séculos. Esse livro é com certeza um dos meus favoritos da vida! Quando mais nova, eu acredito que li uma adaptação mais simples, com pouquíssimas páginas, mas nada se compara a ler o livro original! A tradução da Giz Editorial está ótima, assim como o tratamento em geral que eles deram ao livro. Essa capa me conquistou! Acredito que todos que gostam de Orgulho e Preconceito merecem ter essa versão e aqueles que ainda não leram, estão esperando o que? Beijos


Viu algum erro nesse texto?
Envie um e-mail para bloglivrosecores@gmail.com
Nos acompanhe pelas redes sociais

Novidade: parceria com a autora Thaylane R. Ramos.

11 setembro 2017
Oi, gente. Tudo bem?
Mais uma autora maravilhosa vem fazer parte das parcerias de 2017 aqui do blog! Pensem na minha felicidade de falar pra vocês que a Thaylane R. Ramos agora é nossa parceira! Vamos saber um pouco mais sobre ela?

A autora de livros de Fantasia Urbana e Romance Sobrenatural ficou conhecida no ano de 2015 após publicar seus primeiros livros na Amazon e compartilhar suas histórias gratuitamente na plataforma Wattpad. Percebendo a lacuna que o Mercado Literário brasileiro tinha em relação aos livros de Fantasia Urbana, resolveu mesclar a sua paixão pelo gênero ao desejo de se tornar referência em livros de Fantasia no Brasil.


Thaylane R. Ramos mora no Rio de Janeiro, é administradora de empresas e empreendedora. Escreveu sua primeira história aos onze anos de idade na biblioteca da escola, onde passava grande parte do seu tempo lendo obras dos mais diversos gêneros. Na escrita, dedica-se ao gênero de Fantasia Urbana e Romance Sobrenatural. Mantém contato com os seus leitores através do Facebook, Wattpad e seu site, canais por onde também divulga as suas obras. Acima de tudo, ela sonha em ver a literatura nacional cada vez mais reconhecida em seu país.




Os Feiticeiros
Volume 1/5 da Série Entre Mundos
Compre aqui

Mudar o destino daquelas crianças era o mais correto a se fazer, certo? Não era justo que eles pagassem pelos erros de seus pais. Mas ter que decidir o destino de quatro pessoas que ainda nem sabiam se defender não era uma das tarefas mais fáceis.  Thomas sabia das consequências, mas os amava demais para não arriscar.
​Anos depois, uma vida, amigos, família e crenças, tudo se desmoronava.Então a vida deles não tinha passado de uma grande mentira? Ellen, Alma, Jason e Rodrigo veem suas vidas mudarem drasticamente de um dia para outro, de agora em diante ninguém mais era confiável.  Todo o esforço de alguém do passado parecia não ter valido a pena...Tinham sido descobertos.
O primeiro livro da Série Entre Mundos leva o leitor a uma história intrigante, cheia de mistério, romance e traição, onde os deuses da Grécia Antiga ganham destaque numa batalha intensa contra os feiticeiros mais poderosos do mundo. O que você faria se descobrisse que a pessoa que acreditasse ser não existisse?

Segredos da Noite
Volume 1
Leia no Wattpad aqui

Em séculos passados, onde o absolutismo era a forma de governo predominante, histórias que estimulavam o medo e incentivavam a obediência eram contadas para disciplinar uma sociedade em desenvolvimento. Mas até onde essas histórias não passavam de meros contos folclóricos? Anos depois, nos dias atuais, Violet, uma garota simples do interior de Colorado, consegue uma bolsa de estudos na renomada Universidade da Califórnia, lugar onde vive divertidas histórias ao lado de sua melhor amiga, Lauren. No entanto, a vida de Violet está prestes a sofrer uma reviravolta assustadora quando ela conhece o novo aluno de sua turma, Henry Clark.
​O jeito misterioso, frio e distante de Henry imediatamente chama a atenção do público feminino, além disso, sua beleza é extraordinária. O passado dele é desconhecido, ninguém sabe de onde veio ou quem são seus familiares, o seu comportamento piora quando ele descobre que seu irmão mais velho, Cameron, está na cidade. Cameron se sente extasiado por reencontrar Henry, pois enfim poderá se vingar de seu irmão por assuntos inacabados do passado.
​Numa atmosfera cheia de mistério, suspense, intrigas e romances, segredos são revelados e antigas lendas são desenterradas. Uma rara doença poderia ser a explicação para os estranhos acontecimentos em Colorado, mas seria essa a única razão por trás destes eventos? Ou chegou a hora do mundo conhecer uma nova espécie?

Coloquei um pouco mais sobre o primeiro volume de cada série da autora, mas dá pra ver mais sobre os outros volumes aqui. O que vocês acharam? Estou super ansiosa para realizar essas leituras e logo tem resenha aqui no blog! Beijos

Viu algum erro nesse texto?
Envie e-mail para bloglivrosecores@gmail.com
Nos acompanhe pelas redes sociais

Viagem para Gramado/RS: Mini-mundo e Terra Mágica Florybal!

09 setembro 2017
Oi, gente. Tudo bem?
Nas férias de julho, viajei com minha família para a cidade de Canela, na serra do Rio Grande do Sul. Ficamos hospedados ali, mas a maior parte dos passeios que realizamos foram em Gramado, cidade internacionalmente conhecida que fica ao lado de Canela. Ficamos quatro dias por lá e os passeios foram tão legais que resolvi compartilhar um pouco com vocês! 

O primeiro passeio que realizamos - e que já tínhamos feito antes - foi ao Lago Negro. Mas, foi bem rapidinho, só para iniciar com pé direito. Saiba mais sobre o Lago Negro AQUI. Dá pra passear de pedalinho no lago ou apenas caminhar na volta. 

Lago Negro. 

No segundo dia, fomos ao Mini-Mundo! É um lugar incrível, onde são recriadas paisagens, prédios, monumentos... em miniatura! É como se você fosse um gigante olhando de cima lugares maravilhosos que realmente existem no mundo. Tudo é feito com muito capricho e com vários detalhes. 



Olhem essa casinha pegando fogo e o mini bombeiro apagando com água de verdade:


Podemos ver vários detalhes nas janelas, tijolinhos, nas pessoas, animais e nas placas de trânsito ao fundo:


Reparem nos Beatles atravessando a rua lá atrás:


Está passando Star Wars nos cinemas do Mini-Mundo, hehe


Essa Torre é bem grande, mas nada comparada à original:


Existiam plaquinhas por todo o parque explicando o que era cada miniatura, qual prédio real ela representava, onde ficava o original... 


Eles faziam algumas simulações também, como aquela casinha pegando fogo em uma das imagens anteriores ou como nesse acidente de trânsito: 



Essa aqui parece real, até você ver a pessoa lá atrás ao lado direito:

Saiba mais sobre o Mini-Mundo AQUI.

No terceiro dia, visitamos o Parque Terra Mágica Florybal, em Canela mesmo. O parque é lindo, fiquei apaixonada e me sentindo em Jurassic Park. 

A entrada do parque já dá aquele friozinho na barriga: 


Você entra e passa por um túnel onde há gnomos fazendo chocolate! Para quem não sabe, Gramado é a cidade brasileira do chocolate. E o dono do parque tem uma fábrica de chocolates chamada Florybal. 


Depois de sair do túnel, iniciamos uma trilha incrível cheia de atividades, shows e coisas legais para ver! 










O Parque é enorme, tem muitas paisagens maravilhosas e atrações bem legais. Algumas das atrações: 

Cinema 7D
Atrações teatrais
Simulador de montanha russa
Passeio Dino Móvel
Mundo Animal
Aldeia dos Índios
Mina Preciosa
Floresta Mágica
Fazenda de Cacau
Mago Florybaldo
Voo do Pterodáctilo
Entre outros...

Saiba mais sobre o passeio na Terra Mágica Florybal AQUI

Eu super indico esse passeio, minha família e eu nos divertimos muito e não queríamos mais ir embora. Entrem nos sites e se organizem para ir, vocês não vão se arrepender! Beijos

Viu algum erro nesse texto? 
Envie um e-mail para bloglivrosecores@gmail.com
Nos acompanhe pelas redes sociais: