19 março 2017

Sorteio: Romances policiais na sua prateleira!

Oi, gente. Tudo bem com vocês?
Faz tempo que não rola um sorteio por aqui, não é? Pois é, me desculpem por isso. As aulas voltaram e os livros acadêmicos estão tomando todo o meu tempo. Maaas, em parceria com o autor Marcelo Antinori, eu trouxe uma promoção bem legal de livros já resenhados aqui no blog!


A série de livros nos traz um escritor brasileiro que acaba se metendo em uma série de acontecimentos inusitados, como crime organizado, corrupção e assassinatos. Em cada um dos livros, há um mistério diferente a ser solucionado! O legal é que os livros são bem pequenos, cabem na palma se sua mão. 

Quer saber mais? Acesse as resenhas:

Sereia de Vidro: Resenha | Skoob
Os Crimes do Dançarino da Sé: Resenha | Skoob
Mistério na Festa da Padroeira: Resenha | Skoob 


Marcelo Antinori é um escritor brasileiro que vive em Washington, é economista e trabalhou por vinte anos no Banco Interamericano de Desenvolvimento e no Banco Mundial com projetos implementados em vinte e seis países da América Latina e do Caribe. A partir de 2012 passou a dedicar integralmente seu tempo a escrever. Tem romances publicados em português, inglês e espanhol.



Participe do sorteio:

a Rafflecopter giveaway

Para participar do sorteio: 

  • É necessário ter um endereço de e-mail válido; 
  • É necessário ter um endereço de entrega no Brasil; 
  • Há apenas duas regras obrigatórias no formulário: e-mail e curtir a página do autor;
  • Há apenas uma regra opcional: tweetar sobre o sorteio;
  • O sorteio vai até a meia noite do dia 20 de abril de 2017;
  • O blog/autor podem enviar os livros para o vencedor em até quarenta dias após a divulgação do resultado;
  • O e-mail enviado ao sorteado solicitando o endereço, deverá ser respondido em até três dias corridos. Caso contrário, o sorteio será refeito;
  • Endereços errados ou incompletos serão desconsiderados e os prêmios não serão reenviados.
  • O blog e as editoras não se responsabilizam por extravio dos correios;
  • Atenção: onde está para "visitar" a página do Facebook, é para "Curtir". As regras serão verificadas.

Dúvidas? Envie um e-mail para:
bloglivrosecores@gmail.com

Boa sorte! 

07 março 2017

Resenha: Americanah - Chimamanda Ngozi Adichie.

 Americanah
Autora: Chimamanda Ngozi Adichie
Páginas: 516.
Editora: Companhia das Letras
Comprar: AmazonCultura

Lagos, anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas greves, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela se depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra. Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze. Quando ela volta para a Nigéria, terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência. Chimamanda Ngozi Adichie parte de uma história de amor para debater questões prementes e universais como imigração, preconceito racial e desigualdade de gênero.


O livro de hoje é um queridinho da crítica e aclamado pelo público, mais uma das grandes obras escritas por Chimamanda Ngozi, e mesmo sendo denso e questionador, cheio de polêmicas, a autora sabe escrever de uma maneira que conquista o leitor aos poucos, e este quando se dá conta de quanto já leu não quer mais parar. 

A história conta a vida de Ifemelu, sendo narrada em terceira pessoa e muitas vezes alternando entre presente e passado, retratando suas dificuldades financeiras e os traumas emocionais da sua infância, o seu primeiro amor da adolescência, suas escolhas, sua mudança para os Estados Unidos, sua volta para a Nigéria e o redescobrimento de sua Terra Natal e do seu amor por Obinze.

Apesar de mostrar em grande parte a trajetória de Ifemelu, o livro conta com outras histórias que cruzam com a dela, trazendo diferentes pontos de vista do mesmo problema. 

Assim sendo, o livro não é apenas sobre como Ifemelu e Obinze se apaixonaram e como enfrentaram grandes obstáculos para viver esse amor, é a história de como o período de ditadura na Nigéria afetou profundamente a vida das pessoas, como cada nigeriano pra onde quer que fosse trazia consigo uma espécie de cicatriz, é sobre preconceito e racismo, sobre a outra face do sonho americano, a mediocridade do ser humano, sobre abuso sexual, sobre lutas de gênero e feminismo, sobre traição, pobreza e insatisfação, sobre manter as aparências quando tudo já foi pelo ralo, sobre descobrir a si próprio como alguém capaz de vencer mais um dia, sobre sentir saudades do que era, sobre voltar e se encontrar, sobre suicídio e depressão, sobre rótulos, sobre guerras acadêmicas e de egos, sobre se redescobrir e recomeçar. E principalmente, sobre como depois de tudo, Ifemelu ainda ama Obinze e Obinze nunca esqueceu Ifemelu.

Não é um livro fácil no sentido de ler pra passar o tempo, é um livro que te faz questionar a própria natureza humana e o modo como as pessoas se relacionam de acordo com suas culturas, é um livro pra pensar e é tão bem escrito que você vai lamentar não ter lido antes.

Em outras palavras, um livro que vale a pena!

Abraços.
Melissa

27 fevereiro 2017

Resenha: Mulheres que não sabem chorar - Lilian Farias.

Mulheres que não sabem chorar
Autora: Lilian Farias
Páginas: 210
Editora: Giz Editorial

A vida de Marisa é regida pelo controle. Seja à frente do seu trabalho ou da vida dos filhos, ela é racional, mantendo-se sempre fria, um ser à parte das banalidades, cuja única preocupação é ser um exemplo. Olga é sua antítese. Sentimentos à flor da pele, dor flagelando a carne, pensamentos embaçados pelo esquecimento proporcionado pelo álcool. Sozinha, preocupa-se em apenas ser, em um mundo cercado por fatos que não reconhece mais como seus. Enquanto isso, Ana e Verônica esbarram com o acaso.
Duas senhoras solitárias, vizinhas e antagônicas. Será que um dia alguém acharia que poderiam viver em paz? Mais ainda, será que poderiam se apaixonar? Duas jovens livres e independentes. O que as impede de ficar juntas?
Mulheres que não sabem chorar é mais que uma história de amor entre iguais. Junto a estas personagens tão humanas, o leitor vê-se despido dos preconceitos, pudores e medos. Ora crua, ora poética, a trama nos obriga a enfrentar o espelho e se ver como nunca imaginou antes. Pois ao mergulhar neste romance, o que fará você pensar não é a forma como vê o amor, mas sim a forma com que ele se volta em sua direção. Esteja preparado.
(Danilo Barbosa - Autor de Arma de Vingança).

Oi, gente. Tudo bem?

Mulheres que não sabem chorar é um livro nacional, da autora Lilian Farias. A Lilian também escreveu O Céu é Logo Ali, que já tem resenha aqui no blog (aqui).
Assim que eu soube do lançamento desse livro pela Giz Editorial, fiquei muito feliz e solicitei um exemplar, pois adoro a escrita da Lilian e os sentimentos que ela passa ao leitor.

Muitas vozes são as nossas vozes. Nada nem ninguém é capaz de calar a alma feminina; a essência feminina é natureza da própria terra. 

Esta obra nos traz três personagens principais: Olga, Marisa e Ana. As duas primeiras são senhoras com uma vida cheia de histórias, altos e baixos. Olga acabou de perder a filha para o câncer e tem problemas sérios com a bebia, já Marisa viu os filhos partirem para outro país e tem uma personalidade difícil. As duas iniciam um relacionamento amoroso e enquanto Olga parece querer se entregar completamente, Marisa é mais fechada e quer manter isso longe dos olhos da vizinhança.

Ana, parece não ter ligação com as outras duas personagens, assim como foge de algo ruim que aconteceu no seu passado. Ela acaba conhecendo Verônica e se apaixona por ela, porém nada é tão fácil assim.

Ao longo do livro, vamos conhecendo outros personagens e um pouquinho da história de cada um. A vida de todos eles são linhas que se entrelaçam e no final ficamos surpresos com o que acontece com tudo isso.



A escrita da Lilian ora é poética ora é crua. Os sentimentos que sua narrativa nos traz são os mais diversos possíveis. Às vezes, eu gostava muito da Marisa, já outras vezes eu a odiava. E essas reviravoltas que a obra nos proporciona me fez gostar muito dela.

Os personagens são bem construídos e reais. Não são aqueles personagens perfeitos que conquistam o leitor de cara, mas personagens nos quais podemos identificar uma vizinha, uma tia, um amigo. E você acaba torcendo por eles no final.

No fundo, nós somos os loucos sociais viciados na verdade absoluta. Olga foi a nossa vítima; alimentamo-nos do sangue e do amor próprio dela. Tornamo-nos vampiros sociais para defender Deus-sabe-o-quê. 

A leitura conquista! Fiquei querendo saber como a Olga e a Marisa se apaixonariam, já que elas se odiavam. E também fiquei muito curiosa para saber o que a Ana tinha a ver com tudo isso. Só larguei o livro quando o desvendei! Além disso, podemos ver, claramente, as críticas à falta de respeito e compreensão da sociedade em relação à sexualidade de cada um. 

Recomendo a leitura sim, principalmente para as pessoas de mete aberta que sabem ver o amor nas mais diversos formas! Beijos.


23 fevereiro 2017

Resenha: Tá todo mundo mal - Jout Jout

Tá todo mundo mal
Autora: Julia Tolezano (Jout Jout)
Páginas: 200.
Editora: Companhia das Letras
Comprar: Amazon | Cultura

Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em tá todo mundo mal, ela reuniu as suas "melhores" angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, "Jout Jout, Prazer".
Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!

Oi, gente. Tudo bem?

Pra variar um pouco, hoje tem um livro de Crônicas, e é nacional!

O livro reúne diversas crônicas sobre as crises que qualquer um pode ter, mas nesse caso quem passou por tudo isso foi Jout Jout, o que deixou tudo mais engraçado. São histórias leves e, ao mesmo tempo, profundas, que nos remetem às nossas próprias descobertas como seres humanos, enquanto outras só vão te fazer rir mesmo, o que é ótimo.

No decorrer do livro, nos deparamos não só com crises, mas com alternativas pra sair delas. Enfim, não há muito mais o que contar sem dar spoiler, só lendo pra saber.

Recomendo pra se ler numa tarde ociosa ou na espera do dentista, é um livro pra todas as ocasiões e pra te deixar feliz, mas não vá com grandes expectativas, até porque, como a própria autora diz são as expectativas na maioria das vezes que nos fazem sentir culpados por não atingi-las.

Então, fiquem confortáveis e aproveitem a leitura!

Abraços.